Circo Crescer e Viver terá documentário e experiência de cinema em realidade virtual

Circo Crescer e Viver entrega na Zona Oeste do Rio material arrecadado em campanha
17 de abril de 2019
Núcleo de Dança para Idosos no Circo Crescer e Viver já é considerado um sucesso pelos alunos
17 de abril de 2019
Quarta, 17 de abril de 2019.

Diretora estrangeira escolheu o Circo Crescer para contar através da técnica de realidade virtual, história de vida de um jovem do Circo.

Já imaginou ter a sensação de estar dentro de um espetáculo de circo utilizando apenas um par de óculos? Isso só é possível graças ao encontro entre a magia do circo e a tecnologia traduzida em realidade virtual. Uma técnica avançada de interface que permitirá o respeitável público ter a sensação de estar no picadeiro tendo aulas de circo ou atuando junto com os artistas. A iniciativa é trazida para o Rio pela cineasta marroquina-francesa, Lamia Chraibi, que buscou o Circo Crescer e Viver como lugar para realizar seus trabalhos visuais em forma de documentário e de realidade virtual.

O personagem principal do documentário será um jovem circense formado pelo Circo Crescer Viver, Richard Estrela, que e é morador e vizinho da lona do Circo Crescer e Viver instalada no bairro Cidade Nova, região central da cidade do Rio. A ideia inicial do roteiro é contar a história de Richard, desde quando iniciou no programa de Circo Social aos 6 anos de idade, passando pela formação artística até se tornar um artista e educador de circo aos 21 anos. “Quero mostrar os impactos do Circo Crescer e Viver na vida do Richard, suas conquistas, suas frustrações, planos para o futuro, mas, também o atual momento de sua vida”, disse Lamia.

A Diretora é formada em Sociologia Política pela Universidade de Sorbonne, Paris e em Cinema pela Escola de Cinema de Montreal, Canadá. Com documentários premiados em Festivais de Barcelona e Colômbia, Lamia já teve seus filmes exibidos em mais de 30 países, todos eles com temas de relevância social. Vivendo atualmento no Canadá, ela contou que o filme é uma produção independente e que apesar do baixo orçamento acredita que a história vai repercutir de forma positiva e ter uma grande aceitação em festivais. Até o momento, o filme conta com o apoio de 8 mil euros, pouco mais de 30 mil reais arrecadados através de uma colaboração coletiva, crowdfunding, com a participação de 150 doadores. A partir da próxima semana começam as gravações no Circo Crescer e Viver e a expectativa é que o filme fique pronto até o fim de 2019.