Artigo – Viva o circo do Brasil

SARAU COM SÉRGIO VAZ E CONVIDADOS – 18 de abril
27 de março de 2019
Trio chileno busca novos horizontes no Circo Crescer e Viver
27 de março de 2019
Quarta, 27 de março de 2019.

Viva o circo do Brasil !!!

Ainda que historicamente seja desprestigiado pelos códigos de validação estética das elites. A cultura deve ao circo, como modo de produção, sua inequívoca contribuição para a democratização do acesso à diferente linguagens. Afinal, é aonde ainda não existiam e não existem salas de espetáculos e equipamentos culturais, que se percebe a força e a importância da tradição da itinerância das lonas. São elas que ainda se erguem em comunidades, cidades e regiões desérticas de infraestrutura cultural para oferecer, a preços populares e quase sempre sem nenhum amparo do Estado ou da iniciativa privada, as oportunidades para que os estratos menos abastados, que habitam os interiores e periferias dos grandes centros urbanos do país, encontrarem-se com a arte, a cultura, o lazer e o entretenimento.

Resiliente e persistente em seu modo duro de formar (para subsistir), criar (com dor), produzir (com muito pouco apoio) e circular (com o peso de montar-se e desmontar-se) para chegar aonde inexistem os espaços clássicos da expressão, o circo deveria, por justiça histórica e pelo singular potencial inexplorado de difusão, democratização e expansão do acesso e ampliação do consumo cultural, ser alvo preferencial de políticas públicas que o auxiliasse a realizar as adaptações de suas tradições às imposições contemporâneas da gestão dos empreendimentos artísticos e culturais.

Restaurar a vitalidade da cena circense, passa por revigorar seus espaços formativos, descomplicar e pensar inovações institucionais que facilitem a itinerância das lonas, e uma dedicação especial aos processos de formação de novos empreendimentos, grupos, coletivos e artistas comprometidos com a criação de um mercado para o circo no Brasil, afim de que a gente não repita o fenômeno do futebol, e siga cumprindo o papel histórico das artes circenses, como nenhuma outra arte ou linguagem foi capaz de cumprir com a mesma potência – “ir aonde o povo está”.

JUNIOR PERIM
cofundador do Circo Crescer e Viver